Procena, festival inclusivo em formato digital, começa nesta quarta-feira (07/10)

Com recursos do Fundo de Arte e Cultura de Goiás (FAC), evento traz esse ano a dança como tema central

Totalmente virtual e com vistas a alcançar um público cada vez mais distante e diverso, tem início, nesta quarta-feira (7/10), às 19h, a 3ª edição do Festival Procena. Até o próximo dia 10, o evento leva à população em geral, e em especial aos portadores de necessidades especiais, uma programação repleta de oficinas, webinários e espetáculos artísticos. A dança é o grande tema do Procena 2020, por ser “uma das linguagens que mais tem se destacado na produção cênica inclusiva e acessível”, destaca Thiago Santana, organizador-geral do projeto.

Com apoio do Fundo de Arte e Cultura de Goiás (FAC), o festival é voltado para a formação, promoção e visibilidade do artista com deficiência. “O FAC tencionou positivamente uma produção cada vez mais democrática, permitindo a inclusão de novos consumidores de arte e cultura. Com isso, a cena acessível em Goiás já é uma realidade cada vez mais crescente”, avalia Thiago. Segundo ele, esse avanço é fruto das metas do Plano Nacional de Cultura, em diálogo com outros marcos legais como a Convenção da Pessoa com Deficiência e a Lei Brasileira da Inclusão.

As limitações impostas pela pandemia de Covid-19 levou a organização a readequar completamente o formato do evento, que, este ano, traz os espetáculos gravados antes do surto da doença.  Foram adicionados, ainda, intérpretes de libras, audiodescrição e legendagem.

A grande abertura, às 19h, traz o espetáculo internacional “Dez mil seres”, da Cia Dançando com a Diferença, de Portugal. O acesso ao evento deve ser feito pelo site procenago.com. Até o final de semana, passam ainda pelo palco virtual do Procena os espetáculos “die einen, die anderen – alguns outros”, da Cia Gira Dança, do Rio Grande do Norte, “Berorrokan – A origem do mundo karajá”, do Inai/ NAIBF, de Goiás e “Similitudo”, do Projeto Pés, do Distrito Federal.

“Estamos com muitas expectativas, pois alteramos nosso formato e agora poderemos alcançar públicos cada vez mais distantes fisicamente, mas com bastante interação nas oficinas e webnários”, explica Thiago. Segundo ele, o público se surpreenderá com a qualidade dos espetáculos selecionados para esta edição.

“Serão momentos em que todos os participantes, com e sem deficiência, aprenderão juntos colocando em prática a inclusão e dando voz a todos os espaços de discussões que serão tratados, como por exemplo, a visibilidade dos corpos diferenciados na cena”, afirma o coordenador.

De acordo com Thiago Santana, as edições de 2016 e 2018 do Procena possibilitaram a produção de conhecimento em torno das temáticas e a aproximação entre os profissionais da cena inclusiva e acessível em Goiânia. “E o mais importante: auxiliou na problematização de políticas públicas culturais para artistas e espectadores com deficiência”, completa.