Atual momento ambiental do Brasil é tema de palestra do jornalista André Trigueiro no Fica 2020

A atividade faz parte da  21º edição do Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental, e foi transmitida ao vivo pelo canal do Youtube da Secult Goiás

O jornalista, escritor e professor André Trigueiro participou, nesta sexta-feira (20), da palestra “Sustentabilidade - A questão central do nosso tempo”. A atividade faz parte desta 21º edição do Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (Fica), e abordou a questão da atual gestão ambiental no Brasil e possibilidades para que as políticas públicas ambientais possam ser seguidas. A palestra foi transmitida ao vivo pelo canal do Youtube da Secult Goiás.

 

André iniciou a fala fazendo uma homenagem à Washigton Novaes, que, segundo ele, o apresentou o Fica e as questões ambientais do País. “Os brasileiros precisam saber quem ele foi, o que fez e porque ele continua tão importante para nós”, declarou.

 

O jornalista fez um resumo sobre o atual momento geopolítico, principalmente em relação às últimas eleições ocorridas nos Estados Unidos, e como o discurso “negacionista” interfere na qualidade de vida e no desmonte de políticas ambientais. Segundo Trigueiro, a vitória de Joe Biden para a presidência dos Estados Unidos eleva a tensão e pressão aos países que não seguem a cartilha ambiental. “Em 2020, elevou-se a percepção de que o negacionismo ambiental implica em riscos econômicos terríveis”, comentou.

 

De acordo com Trigueiro, acordos internacionais que envolvem parcerias econômicas do Brasil estão sendo desfeitas por conta do desrespeito das leis ambientais. Além disso, ele indicou que “grandes investidores” não querem aplicar seu dinheiro em países que vão na contramão da sustentabilidade.

 

Desenvolvimento x Preservação

 

Trigueiro ainda discorreu sobre colocações de autoridades que veem o desenvolvimento como antagonista da preservação. “O próprio Washington Novaes nos trouxe essa reflexão: o meio ambiente começa dentro da gente. Ele não impede o setor produtivo ou o desenvolvimento, muito pelo contrário, o Brasil é o País das oportunidades”, afirmou.

 

De acordo com ele, o Brasil poderia ser líder mundial na questão da sustentabilidade, atraindo novos investimentos e recursos. “A natureza nos favorece, nós temos recursos naturais e recursos humanos; haveria uma avalanche de recursos e investimentos na direção do novo mundo do baixo carbono”, disse. E completou: “Vamos fazer um planejamento estratégico inteligente que faça com que a gente consiga dar outros status para nossas commodities, como certificados, selos, respeitando a lei brasileira e as áreas de conservação”.

 

Protagonismo

 

André Trigueiro lembrou que o Brasil tem a chance de ser protagonista e líder mundial na “nova economia inteligente e sustentável do baixo carbono”.

Conforme destacou, “ou a gente ajusta o norte magnético para esse rumo ou a gente vai continuar comendo poeira de países que têm muito menos recursos do que o Brasil, mas sabem usar melhor seus recursos”.

 

Festivais de cinema

 

Questionado por um dos participantes da palestra sobre a importância dos festivais de cinema, como o Fica, na formação da cidadania ambiental, Trigueiro foi enfático: “No próprio Fica, eu vi filmes e documentários que impregnaram minha alma. Onde você vai ver um filme, feito por um americano, mostrando como a Coca Cola se instalava em países periféricos, com legislação ambiental fraca, para abusar dos mananciais de água para produzir o refrigerante?”, indagou.

 

Trigueiro também elogiou o incentivo do Fica em dar prêmios para produtores locais e, consequentemente, fomentar recursos para o audiovisual goiano. “O Fica é responsável pelo aparecimento da nova geração de produtores, cineastas, a indústria do cinema, e pessoas interessadas na área por conta do Festival. É nítido como a produção goiana de cinema ganhou musculatura e experiência”, observou.

 

Segundo o jornalista, o audiovisual é um poder que compartilha cultura, modismos, produtos e visões de mundo.  “Poder estimular, conscientizar, despertar consciências, denunciar, aflorar sentimentos, então não é muito pouco não. É uma arte muito sedutora, arrebatadora, e ela está serviço, ou não, de um mundo melhor, e aí é escolha de cada um envolvido nessa indústria descobrir quais são os caminhos éticos que os estimulam. O audiovisual é uma ferramenta fantástica da transformação da sociedade”, concluiu.

 

Otimismo

 

Durante a palestra, André Trigueiro ainda falou sobre a educação ambiental no Brasil, perspectivas futuras para o País, a relação da Covid-19 com o atual momento do meio ambiente e a biopirataria. Ele encerrou sua participação com palavras de otimismo: “Eu queria especialmente falar aos jovens. Não se deixem contaminar pelo pessimismo, pelo desânimo, pela desesperança. Isso vai passar. Enquanto não passa, fortaleça-se na convicção que você já construiu, do que é possível fazer e de que jeito. Siga o caminho que o seu coração está dizendo que é o certo, não desista. O Fica seguirá o movimento em favor do meio ambiente, que nos inclui também”, declarou.