”1888”, monólogo que aborda a experiência de ser mulher preta na América Latina, estreia neste sábado (26/11)

Espetáculo da atriz Takaiúna em parceria com dramaturga e diretora boliviana Claudia Eid Asbún foi contemplado pelo Fundo de Arte e Cultura de Goiás

 

 

O espetáculo “1888”, da atriz brasileira Takaiúna em parceria com a dramaturga e diretora boliviana Claudia Eid Asbún, estreia neste sábado (26/11), às 19h, no  Ponto de Cultura Cultura 36, em Bonfinópolis. A obra autoral é resultado do projeto de formação em escrita dramatúrgica “Dramaturgia Emergente”, contemplado no edital 7/2017 do Fundo de Arte e Cultura de Goiás (FAC). 

 

A montagem aborda a experiência de ser uma mulher preta na América Latina, através da história de Justina, durante conversa com um bebê sobre a vida e a liberdade. A encenação se passa entre 1535 e 2022. 

 

De acordo com  Claudia Eid, diretora da peça, obra acontece no universo da medicina ancestral que conecta tanto com a Bolívia como com o Brasil. “Durante a apresentação, questões em comum nos ajudam a perceber que somos uma única região que vive as cicatrizes da colonização”, destaca. 

 

O texto foi escrito durante o processo de formação continuada e faz parte de um repertório de dramaturgia própria. Segundo Takaiúna, atriz e proponente do projeto, montar um texto autoral “era um sonho” guardado há muito tempo. “Poder realizá-lo é uma conquista pessoal, mas, também coletiva”, esclarece Takaiúna. 

 

A proponente do projeto também avalia que o exercício de trazer para cena as histórias criadas, e que de certa maneira alcançam um passado ancestral, têm muitos significados. “Tratar de assuntos que foram silenciados por estruturas coloniais e patriarcais no teatro brasileiro e latino-americano é um desses significados”, pontua. 

 

São previstas quatro sessões nos meses de novembro e dezembro, todos com entrada gratuita. A próxima apresentação já está marcada para 10 dezembro,  na Usina Cênica, em Senador Canedo, às 11h. A classificação indicativa é 18 anos. Após as apresentações, serão mediadas rodas de conversa, a partir do processo de montagem.

 

Sinopse

 

De 1535 a 2022. A música, a dança e o corpo contam e vivem histórias. Em cena Justina conversa com um bebê sobre a vida e a liberdade. Vozes preenchem o vazio do espaço. O tempo, o vento, os territórios e a ancestralidade comungam da espera. Estamos em 1888, 1889 ou 1892... em algum lugar onde a doença dá passos rápidos. …2000... 2003... em algum lugar onde há doenças 2020, em algum lugar onde a cura dá passos lentos, 2022.

Mulheres que curam vivem hoje em todo território latino-americano. Porém, essa temática, tem encontrado pouco ou quase nenhum espaço nas dramaturgias e encenações latino-americanas. Justina é uma personagem que liga esses elementos em seu corpo de mulher preta e curandeira. Com suas ervas busca a cura de si, das gerações passadas e das futuras.

 

Serviço:

Dia: 26 de novembro de 2022

Horário: 19 h

Local: Ponto de Cultura Cultura 36, Bonfinópolis

Classificação indicativa: 18 anos

 

Dia: 10 de dezembro de 2022

Horário: 11 h

Local: Usina Cênica, Senador Canedo

Classificação indicativa: 18 anos

 

Secretaria de Estado da Cultura (Secult) - Governo de Goiás

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.